domingo, 31 de março de 2013

Grunge

No final da década de 80, principalmente em Seattle nos Estados Unidos, surgiu um movimento musical com influência do heavy metal, do hard rock que tomou conta de todo o país e quase do mundo todo.
O Grunge influenciou uma geração. Na música, nas roupas, na atitude.
Bandas como Pearl Jam, Nirvana, Soundgarden, Alice in Chains, Silverchair (apesar de ser australiana) foram as maiores do gênero, conhecidas internacionalmente e fortes até hoje. Que começaram mesmo da garagem, de um som entre amigos.
Após os lançamentos dos discos Nevermind do Nirvana e Ten do Pearl Jam em 1991 foi que o sucesso estourou.

 Grunge vem do termo "grungy" em inglês que significa sujo. Dá pra ver o motivo por fotos das roupas que eles usavam, seus cabelos compridos. Até hoje é influência de estilo pra se vestir, nas camisetas de banda, as calças rasgadas, coturnos, tênis que já parecem velhos, blusas despojadas.
Eles foram porta-voz de toda a geração. Esse gênero alternativo foi dominante em toda a mídia.
Revista Spin de setembro de 1992

O enorme sucesso causou incômodo para eles, que não gostavam de serem tratados como puro negócio, marketing. Um exemplo, é o caso em que o Pearl Jam chegou até a ir aos tribunais contra a Ticketmaster, a maior e praticamente única vendedora de ingressos dos shows. Eles achavam o preço muito caro para os fãs pagarem, não achavam certo esse lucro que se tirava pelo trabalho deles. Daí eles passaram a fazer as turnês sem o apoio da Ticketmaster pra vender os ingressos.
Kurt Cobain disse: "Famoso é a última coisa que eu queria ser." Para ele, a mensagem das músicas acabaram mal interpretadas. A popularização distorceu a essência do Nirvana.
Após a morte do Kurt e o fim do Nirvana, o grunge perdeu força.
Em novembro de 1994 foi lançado o MTV Unplugged in New York, que tinha sido gravado no mesmo mês em 1993. Eles venderam mais de 50 milhões de álbuns em todo o mundo, sendo que 25 milhões foram vendidos só no Estados Unidos. Em 2006, Cobain tomou o lugar de Elvis Presley como a celebridade póstuma mais bem paga, após a venda do catálogo de músicas do Nirvana. Presley recuperou a posição em 2007.

Essa placa colocada em tributo ao Kurt na cidade em que ele nasceu, Aberdeen.
Desde o começo houve muitas mudanças, integrantes que saíram e outros que entraram nas bandas. Como Matt Cameron que de 1986 a 1997 tocava bateria no Soundgarden e daí entrou para o Pearl Jam.
Todos sempre interligados por diferentes formações.

No filme-documentário Pearl Jam Twenty, lançado em 2011 em comemoração aos 20 anos da banda podemos ver tudo isso, desde o início até como estão nos dias de hoje.
O Pearl Jam já vendeu 60 milhões de álbuns em todo o mundo.
O vocalista Eddie Vedder tem outros projetos solo e já fez parcerias com outros artistas como Ben Harper, Johnny Deep, Kings of Leon, Neil Young, Dave Grohl, Chris Cornell, etc. Ele é um ícone.

Essas bandas marcaram pra sempre o rock e o cenário musical, conquistando fãs das gerações posteriores também e que levarão isso por onde forem, não importa quanto tempo passar.
Muito legal ver como tudo aconteceu no documentário.

Em 2004 quando fez 10 anos da morte do Kurt, pela semana inteira a MTV exibiu clipes, matérias e documentários sobre o Nirvana. Sua influência continua forte até hoje..
E olha que demais: será lançado pela editora Conrad uma série de livros em HQ chamada O Clube dos 27, contando histórias dos artistas que morreram aos 27 anos. A primeira é com a Amy Winehouse e já está a venda aqui: http://www.lojaconrad.com.br/lojas/conrad/__Detalhes.cfm?produto=RQ16523
A próxima é com o Kurt, para nossa alegria! Tem também com Jimi Hendrix, Jim Morrison e Janis Joplin.
Veja a capa com a Amy.  Preciso muito!

Gostaram? Quais suas músicas preferidas?

Vou deixar duas músicas que não podem faltar, haha.


Até a próxima!