sábado, 20 de fevereiro de 2016

As Sufragistas

"As Sufragistas" é um filme que documenta a luta histórica pelo direito das mulheres ao voto, no Reino Unido em 1912.
Nessa época, praticamente não haviam direitos para as mulheres. Além de não votar, não lhes era permitido disputar a guarda dos filhos ou administrar os próprios bens. Elas não têm voz nem em casa, nem no trabalho, muito menos no Parlamento.

A protagonista é a lavadeira Maud Watts (Carey Mulligan), que se vive em longas jornadas diárias de trabalho, ganha salário menor do que os homens na mesma função, e ainda cuida da casa, do marido (Ben Whishaw) e do filho pequeno George (Adam Michael Dodd).
Direitos trabalhistas também não existem. As trabalhadores passam todos os dias por grandes riscos e perigos para a saúde. Em uma cena, ela relata todos os absurdos vividos por elas na lavanderia, inclusive que muitas vezes elas tinham que ficar carregando os filhos nas costas durante o serviço, ou deixá-los debaixo dos tanques.
Além disso, muitas das trabalhadoras convivem com o assédio sexual também, principalmente as mais pobres e que trabalham desde a infância.

Maud entra no movimento sufragista por acaso, e aos poucos vai percebendo que aquela luta também é sua.
O longa retrata todas as dificuldades que o movimento enfrentou, a violência policial e o descaso das autoridades para com essa questão.
O voto feminino foi permitido na Inglaterra, com restrições, em 1918, e finalmente aberto a todas as mulheres, em 1928.

Não custa lembrar que há países, como a Arábia Saudita, em que o direito de voto feminino foi conquistado há pouco tempo, em 2015, e ainda assim, com restrições. E que não faltam países em que às mulheres é negado o direito de estudar ou mesmo de sair à rua desacompanhadas de um homem.

É um filme que serve como aula de História e permite o debate de uma importante questão sociocultural, que repercute até os dias de hoje.