quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Perdido em Marte

Baseado no livro de Andy Weir, "The Martian" conta a história do astronauta Mark Watney que está em uma missão em Marte e após uma severa tempestade, ele é dado como morto, abandonado pelos colegas e acorda sozinho no planeta com escassos suprimentos, sem saber como reencontrar os companheiros ou retornar à Terra. Ele precisa usar tudo o que tem, principalmente sua inteligência e bom humor, para superar a morte certa.
A NASA e uma equipe de cientistas internacionais trabalham incansavelmente para trazê-lo de volta, enquanto seus colegas de tripulação traçam uma ousada, se não impossível, missão de resgate.

"Perdido em Marte" não é só mais uma história de um sujeito isolado que luta para sobreviver, mas sim uma declaração de amor à ciência e ao futuro da exploração espacial. Isso se deve à paixão do autor pelo tema. Ele é engenheiro de softwares, mas sempre foi um nerd em relação aos assuntos do espaço.


O livro traz todos os problemas reais que o programa Ares enfrenta e suas soluções são cientificamente corretas. Toda a história tem muito embasamento científico.

Mas se no livro o leitor se mantém interessado pela qualidade do texto, no filme é Matt Damon quem faz esse papel. Ele incorpora o personagem e suas reações diante das dificuldades da missão soam humanas e fiéis às de um astronauta treinado e pronto para qualquer ação.

O ritmo do filme é um pouco lento, mas isso permite que o telespectador vá absorvendo e entendendo aos poucos o que está acontecendo. Principalmente os que não leram o livro.
As partes em que focam na Terra parecem maçantes, se comparadas com o esforço do nosso astronauta em Marte. Ficamos ansiosos para que a história logo volte para o planeta vermelho e ver o que Watney está aprontando.

A fotografia é bem feita e a trilha sonora é boa.
É um filme e um livro ótimo para quem gosta e se interessa por viagens espaciais, e uma história de aventura e superação.